Decorreu na manhã de sexta-feira, 24 de Junho de 2022 uma visita à escola Comunitária da Igreja Metodista Unida de Malhazine, localizada no bairro de Malhazine, R. Lurdes Mutola, Distrito Municipal Kamubukwana na Cidade de Maputo. A visita, tinha como objectivo conhecer a vida e funcionamento daquela instituição de ensino. Integravam a comitiva o Reverendo Uinge Salatiel Guirruta, Director dos Ministérios Conexionais da Conferência Anual do Sul de Moçambique (DICOM), o Reverendo Xavier Naftal Guambe, Presidente dos Projectos e a Guia-leiga conferencial Sarneta Ngale. Várias actividades foram apresentadas.

Claúdio José da Cunha Sabino, Diretor adjuntoda escola deu o informe pedagógico dizendo que escola contava na altura conta com 557 alunos dos quais 236 eram do ensino primário e 321 do ensino secundário. Afirmou ainda que o aproveitamento pedagógico do ano anterior para os 2 ciclos tinha sido positivo. Ele informou ainda que alunos pagavam propinais anuais com dificuldades o que poderia vir a comprometer a melhor gestão das actividades. Afirmou que apesar disso, a direcção envidava esforço no sentido de colmatar a situação. Com excepção da professora de Braile, os professores não são pagos pela escola.

A escola enfrenta o desafio de reposição das carteiras pois estas se encontram em fase de degradação. No entanto, as que existem são suficientes para todos os alunos.  Os deveres conferenciais têm sido cumpridos e os trabalhadores tem contratos e descontam para o INSS.

A capelã, a Reverenda Márcia Jorge Zita Rungo, aprestou também o seu relatório destacando a existência de uma comissão de capelania composta por 5 elementos, dos quais 4 professores e 1 pastora. Como comissão eles têm desafio muito grande levando em consideração a existência de todo o tipo de alunos, alguns dos quais são muito rebeldes e mesmo viciados, e que acabam criando desconforto na escola.  No que diz respeito ao planificado, este está a ser cumprido de forma positiva e com ajuda da direcção conseguem, na medida do possível, colocar em andamento as actividades.

A directora da escola, a Rev.ª Olga Raimundo Choto, firmou enfrentarem grandes desafios, dizendo que gostaria de ver a escola a crescer. As salas são tão pequenas que chegam a constituir um obstáculo na época dos exames já que não permitem acolher todos alunos, na mesma escola. No que diz respeito a documentos, afirmou que a escola possui um alvará e submeteu às entidades competentes todos os documentos requeridos.

Depois de apresentação de todos gabinetes e os compartimentos da escola pela Directora Olga, o DICOM Uinge agradeceu mostrando a sua satisfação em ver o nível de execução das actividades e exortando a que se continuasse o trabalho de melhoria contínua do desempenho.

Roque Facela